PUBLICIDADE

Topo

Abram alas, Wall Street: os robôs estão chegando

Anielle Guedes

16/01/2020 04h00

A operação do mercado financeiro já é bastante complexa e limitada a um grupo bastante específico de profissionais e tudo indica que, nos próximos anos, ainda menos pessoas façam parte dele. Assim como em diversas outras áreas, o mercado financeiro sofreu grandes alterações ao longo da última década graças à tecnologia.

Hoje, é apenas uma questão de tempo para que os robôs dominem totalmente o mercado financeiro. Isso significa que alguns empregos serão extintos? Ou a tecnologia agirá como uma aliada cuidando de etapas "pesadas", como pesquisa e avaliações mais complexas?

Veja também:

É apenas uma questão de tempo

Não existem dúvidas: os robôs dominarão o mercado financeiro. A grande questão é quando isso acontecerá totalmente. Pelo menos é nisso que Marcos López de Prado, líder de aprendizado de máquina de uma empresa de finanças americana e autor do livro "Advances in Financial Machine Learning", acredita. De acordo com Prado, o aprendizado de máquina e o big data permitem que os algoritmos façam agora o que só poderia ser feito por humanos até o ano passado.

Se não temos mais avanços no uso de robôs no mundo financeiro, é porque não existe uma quantidade de dados tão grande sobre finanças quanto faces para reconhecimento facial. Além disso, mercados evoluem, o que dificulta esse aprendizado. O especialista acredita que o aprendizado de máquina deveria ser utilizado como uma ferramenta de pesquisa, não como uma ferramenta de previsão.

Ele acredita que as máquinas vão ser capazes de tomar conta dos investimentos totalmente sozinhas, já que tomar decisões é baseado em processar informações e quanto melhor e mais rápido for um sistema para tomar decisões, melhor. Isso é apenas uma questão de tempo.

Os analistas devem estar atentos

Os robôs devem ficar mais poderosos durante a próxima década e isso fará com que o mercado de ações, que já é complexo por si só, fique mais difícil para a maioria dos novos entrantes. Especialistas afirmam que o mercado vem se tornando volátil a curtos prazos e isso pode afastar os analistas de trade. Com certeza, as mudanças da última décadas transformou como as pessoas avaliam seus investimentos em ações.

O surgimento de programas de negociação levou os traders a se afastarem de suas práticas tradicionais de executar varreduras baseadas em avaliações de ações supervalorizadas e subvalorizadas. No lugar desses exercícios, agora, existem programas que examinam feeds de notícias em tempo real e negociam ações com base em manchetes. Há muito pouca interação humana necessária e isso causa dezenas de negociações lotadas, amplificadas pela mentalidade de rebanho.

As redes sociais podem ter impacto nisso: o Twitter também influencia as ações, pelo menos é o que mostra um estudo de setembro do ano passado. Segundo o levantamento, o mercado de ações caiu ligeiramente nos dias em que Trump twittou mais de 35 vezes. Nos dias em que Trump twittou menos de 35 vezes, as ações subiram com frequência. Isso complica a avaliação do mercado e tomar ações em tempo real.

Algoritmos vs. mercado de ações

Os fundos gerenciados por meio de estratégias de negociação computadorizadas, geralmente denominados robôs ou robôs de investimento, são a categoria de fundos que mais cresce, de acordo com a análise do Credit Suisse Group AG (CS). Como resultado, eles agora controlam cerca de 60% de todos os ativos patrimoniais, dobram sua participação em apenas uma década e apenas 10% do volume de negócios provém de investidores humanos.

Essa aplicação crescente da inteligência artificial e da análise computadorizada na tomada de decisões de investimentos não está produzindo resultados significativamente diferentes, ou melhores, segundo uma nota de pesquisa de 28 de abril emitida pela empresa de gerenciamento de ativos AllianceBernstein Holding LP (AB). O problema é que a análise de conjuntos de dados cada vez maiores está resultando em estratégias de investimento cada vez mais semelhantes.

Pior ainda, os chamados fundos quânticos que tomam decisões de investimento com base em modelos estatísticos sofisticados estão muito atrás dos fundos tradicionais administrados por gerentes de investimentos humanos, indica o Wall Street Journal.

E os empregos?

Ao falar sobre robôs, o velho questionamento vem à tona: como ficam os empregos? Segundo Prado, os robôs substituíram milhares de empregos de rotina em Wall Street e devem substituir mais profissionais. O uso de algoritmos nos mercados eletrônicos automatizou os trabalhos de dezenas de milhares de traders de execução em todo o mundo e também deslocou pessoas que modelam preços e arriscam ou constroem portfólios de investimento, afirma.

Para Martina Rejsjö, chefe da Nasdaq Surveillance North America Equities, "o crescimento maciço e, em muitos casos, exponencial dos dados de mercado é um desafio significativo para os profissionais de vigilância. As tentativas de abuso de mercado tornaram-se mais sofisticadas, colocando mais pressão nas equipes de vigilância para encontrar a proverbial agulha no palheiro de dados".

Rebecca Fender, diretora sênior do Instituto CFA, diz que 43% dos membros e candidatos do CFA esperam que seus papéis mudem significativamente nos próximos cinco a 10 anos, segundo uma pesquisa com mais de 3.800 entrevistados. As três funções com maior probabilidade de desaparecer são agentes de vendas, traders e analistas de desempenho.

Deloitte e seus robôs de serviços financeiros

A inteligência artificial permite que as máquinas lidem com tarefas que geralmente exigem inteligência humana e está envolvida em quase todos os aspectos da cognição e comportamentos humanos, como reconhecimento de fala; entender, analisar e tomar decisões com base na análise semântica da linguagem natural e das tecnologias autônomas; ou mover-se no mundo real com alarmes mecânicos. A Deloitte China estabeleceu um Instituto de Pesquisa Futura para estudar e fornecer orientações sobre a aplicação e o desenvolvimento de várias tecnologias de inteligência em cenários futuros de locais de trabalho.

Os robôs de serviço financeiro da Deloitte são baseados na aplicação da tecnologia de IA na digitalização financeira. Resumindo, trata-se de um software instalado em computadores para ser ensinado para operações financeiras, como se estivesse ensinando um novo funcionário a operar. Como os robôs de serviço financeiro da Deloitte foram colocados em serviço, ele ajudará o pessoal financeiro a concluir questões repetitivas para melhorar a eficiência e emitir pré-avisos de risco financeiro por meio da coleta e análise de big data.

A intenção seria a adoção da tecnologia de automação robótica para ocupar o lugar das pessoas e liberá-las desse trabalho mecanicamente repetitivo.Isso seria vantajoso para que as pessoas não tenham que fazer serviços repetitivos e, também, porque o processamento robótico tende a ser mais de 15 vezes a velocidade mais rápida dos funcionários humanos e os robôs podem fornecer serviço 24 horas por dia, 7 dias por semana, sem interrupção.

Falar sobre robôs "dominando" um mercado pode assustar algumas pessoas. Afinal, se uma máquina pode realizar uma tarefa de maneira mais rápida e barata do que humanos, ela nos substituirá, não? Provavelmente, assim como em diversas outras áreas, os robôs nas finanças podem substituir algumas funções, porém atuarão como aliados, não inimigos. 

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL

Sobre a autora

Anielle Guedes estudou Física e Economia na Universidade de São Paulo e sem concluir os cursos de graduação embarcou em uma pós graduação nos Estados Unidos sobre inovação disruptiva na Singularity University (localizada em uma base da NASA). Assim virou especialista em tecnologias emergentes, foresight e desafios globais. Fundou uma startup de impressão 3D e manufatura avançada para construção, a qual liderou por 4 anos e atuou no Brasil, Estados Unidos e Europa. Foi eleita pela Forbes, MIT e Bloomberg como uma das jovens mais inovadoras do mundo. Tornou-se consultora em inovação e desenvolvimento econômico, participando de projetos de advisory e advocacy em governos federais e organismos multilaterais, além de ser conselheira de organizações como o Conselho Empresarial para o Desenvolvimento Sustentável. Palestrou em mais de 30 países. Atualmente cursa Economia e Ciência Política pela Universty of London, London School of Economics.

Anielle Guedes